25 de mai de 2010

Feliz Dia Mundial do Orgulho Nerd!!


A todos os nerds da galáxia: um feliz Dia Mundial do Orgulho Gay Nerd! (A imagem me confundiu...)
E também um ótimo Dia da Toalha!


É o que deseja o blog do Adriado!
Enjoy! ☺

17 de mai de 2010

Esse vídeo é incrível

Fonte: Gizmodo, que diz que sua fonte é The Next Web.


Esse vídeo é inacreditável. Eu simplesmente nunca tive uma sensação parecida. Não sabia o que era real e o que não era. Acontece o seguinte: o local filmado é uma parede com volumes retangulares. Uma imagem é projetada sobre essa parede, dando a impressão de um ambiente muito bacana! Veja o vídeo até o final e se surpreenda. Sério. A imagem do vídeo que eu escolhi para colocar nesse post foi essa porque eu não queria estragar a sensação que você vai ter.

P.S.: como dito no Gizmodo, o vídeo parece ter sido feito pelo mesmo cara que fez esse aqui. Adorei!

Enjoy!

16 de mai de 2010

Welcome! Welcome, new Galaxy!


Super Mario Galaxy 2, "a primeira continuação de um jogo 3D do Super Mario para um mesmo console", nas palavras da vice-presidente executiva de vendas e marketing da Nintendo of America, Cammie Dunaway. Anunciado no primeiro dia da E3 (Electronic Entertainment Expo) de 2009, que aconteceu nos dias 2, 3 e 4 de junho, o jogo foi recebido com um silêncio de surpresa pelos fãs. Ninguém imaginava que a Nintendo algum dia fizesse isso. E tão rápido. Muitos fãs ainda nem conseguiram comprar o primeiro Galaxy e o segundo já vai ser lançado no dia 23 de maio de 2010.
Como no Galaxy 1, Mario vai viajar por planetas dos mais variados, enfrentando os inimigos clássicos, que não podem faltar em nenhum jogo do encanador, ou novos, melhor dizendo, inovadores. De acordo com o designer do Mario (e de quase tudo da Nintendo), Shigeru Miyamoto, Super Mario Galaxy 2 é "90% inédito. Não. 95%. Talvez até 99%". O presidente da Nintendo of America, Reggie Fils-Aime conta que ele será mais desafiante que o antecessor. Isso pode ser deduzido pelo trailer oficial.
E o que dizer do Yoshi? Desde Super Mario World ele é o segundo "item" mais cogitado pelos jogadores. Mais que o Super Mushroom, a Fire Flower, talvez até mais que o Starman (Estrela), mas não mais que a Cape Feather, a famosa peninha que dá ao Mario uma capa amarela. Mas Yoshi tem seu carisma, claro. Encontrá-lo é sempre motivo para se alegrar. E para dar à música de fundo uma percussão. Ou você nunca percebeu que sempre que se monta no dinossauro a música ganha umas batidas um pouco irritantes? Pois é. Se você já jogou Super Mario Sunshine, certamente percebeu isso através das dores de cabeça extremamente fortes que as batidas causavam... Venhamos e convenhamos, o som do GameCube não é dos melhores. Eu prefiro o polifônico do Nintendo 64.
Mas voltemos ao Yoshi: no Sunshine, pegá-lo dava ao jogador a capacidade de chegar a lugares que não se podia chegar sem ele. Certamente vai ter o mesmo efeito no Galaxy 2. Suas habilidades vistas no trailer, como de se encher de ar (Yoshi azul), ou a super-velocidade (Yoshi laranja), ou a capacidade de brilhar, fazendo o chão ficar visível (Yoshi amarelo), vão fazer as aventuras do Bigode se estenderem por muito mais tempo e espaço. O dinossauro muda de cor quando come um Fruto específico.
Fases maiores e mais difíceis nos esperam. E não é só o Yoshi que tem novas habilidades para enfrentá-las, Mario também vem com surpresas, igual a um Kinder Ovo. Além das antigas habilidades, como a resultante do Bee Mushroom, em que o encanador ganha uma roupa de abelha bem gay e pode voar por uns instantes, agora ele poderá patinar sobre a água sem precisar da Ice Flower. Haverá o Rock Mushroom, que envolverá o Mario numa bola de pedra, o Cloud Mushroom, que dará ao Mario uma roupa de nuvens, a Drill, escavadeira que permitirá ao encanador cruzar o interior de pequenos planetas, e outras habilidades mais, provavelmente.


A nave espacial com a cara do Super Mario (essa aí de cima) provavelmente será o espaço central entre as fases, como o Observatory do primeiro Galaxy, a Delfino Plaza do Sunshine e o Peach's Castle do Super Mario 64. Os cenários das fases variam desde planetas frios gigantescos, passando por galáxias desproporcionais, onde o encanador parece ser pequeno (como em Big Island, de Super Mario Bros. 3, e em Tiny-Huge Island, de Super Mario 64), galáxias feitas de instrumentos musicais enormes, planetas mínimos cobertos por água, planetas de fogo, chegando aos clássicos planetas medievais e ao mesmo tempo super-tecnológicos onde se enfrenta Bowser e Bowser Jr., os já conhecidos vilões da série. Planetas em ruínas, planetas fantasmas, planetas floridos, planetas de doce, planetas de madeira, tudo isso está só esperando o dia 23 de maio chegar para explodir na sua TV.
A mesma fórmula infalível do Super Mario Galaxy, com elementos inéditos e o Yoshi. Tem como dar errado? Não. Vamos esperar pra ver. Se você quiser saber um pouco mais sobre o Galaxy 2, entre na Super Mario Wiki, a Wikipédia do Mario. Um texto enorme e dezenas de imagens do jogo para você apreciar e babar.

Enjoy!

Patologia Cômica: uma nova visão do mau-humor !!


Patologia Cômica é o blog de uma amiga minha, Suki, e de uma amiga dela, Cyssa. Elas escrevem o que acontece no ambiente de trabalho delas, a recepção de um hospital. São sempre situações muito estranhas, que ninguém imagina que vai presenciar um dia. Elas presenciam. E o mau-humor dá as caras! Mas em seus posts, elas mostram o mau-humor de uma maneira muito engraçada! Fazem tudo ficar hilário!
Vale a pena dar uma passada no Patologia Cômica e ver o mau-humor por um ângulo novo.

Enjoy!

14 de mai de 2010

Personagens brasileiros em videogame

Já tem uns bons dias que estou preparando esta lista. Vi em vários sites uns “top 10 personagens brasileiros”, ou até “top 15”. Mas resolvi pesquisar um pouco mais a fundo esse tema e consegui fazer uma lista de 21 personagens brasileiros em jogos. Mas, obviamente, não coloquei nessa lista personagens de jogos de futebol, ou outros jogos realistas de esporte. Se eu tivesse feito isso, a lista passaria dos 200. Já pensou? Winning Eleven está na sua décima edição (entre no link e veja o tanto de versões que tem). Sem contar os jogos de futebol das gerações antigas. Claro que tem jogadores clássicos, como o Alejo, do International Superstar Soccer. Mas não há motivo suficiente para colocá-los na lista. Vou citar apenas nessa introdução os pedestres brasileiros de Grand Theft Auto IV. Eles deixaram sua marca no jogo e todo mundo repara no Português falado. Mas não é por isso que eles terão um parágrafo reservado apenas para eles, afinal, são tão secundários, que chegam a ser terciários.
Minha compilação não tem uma classificação. Não tem o 1º, o 2º, o 3º etc., etc., etc. Eles estão em ordem alfabética. Afinal, não dá pra dizer: “esse é melhor que aquele, por isso deve ficar na frente”. Queria que ficasse mais imparcial (mesmo tendo minha opinião claramente impressa nos textos), afinal, todos eles são igualmente especiais por serem brasileiros. Bom, espero que gostem, me empenhei muito nisso.



O que ele tem de brasileiro:
É alto e moreno no anime.

História:
Sim, ele originalmente é personagem de anime e mangá. Porém, existem alguns jogos dos Cavaleiros do Zodíaco, então ele tem todo o direito de aparecer aqui. Dentre todos os cavaleiros, ele é o único brasileiro. O signo do zodíaco que ele representa é Touro, sendo sua armadura feita de ouro (olha, até rimou). Ele é o mais forte e resistente dentre os cavaleiros, mas apenas usou totalmente seu poder em uma única batalha, que será comentada adiante. Aos sete anos de idade, tornou-se Cavaleiro de Ouro.
A postura que ele utiliza nas batalhas se parece com a do Iaijutsu (é, eu sei que essa imagem é do Samurai Jack, mas foi a melhor e mais ilustrativa que eu encontrei). Essa postura é muito eficiente, tanto defensiva, quanto ofensivamente. Ele fica de braços cruzados, como um samurai segurando o cabo de sua espada embainhada, esperando um movimento do oponente. Pega seu adversário de surpresa, no meio de um ataque.
Foi derrotado por Seiya de Pégaso, que quebrou um dos chifres de sua armadura. Depois, no mangá, enfrentou o General Marina Sorento de Sirene. Sorento reduziu o poder de Aldebaran a 1% do total. Então, como eu escrevi antes, foi nessa luta que ele usou seu poder máximo. No caso, o máximo que ele podia usar foi 1% do total. Mesmo assim, arremessou longe o General, o Marina mais poderoso. Morreu heroicamente lutando contra Niobe de Deep, destruindo depois o Muro das Lamentações (sim, em Cavaleiros do Zodíaco, assim como em Dragon Ball, os personagens morrem e ressuscitam o tempo todo), com a ajuda dos outros Cavaleiros de Ouro. No Episódio G, Aldebaran matou a Hidra de Lerna com um só golpe, desferido com uma só mão (a outra estava ocupada, segurando a Balança de Têmis), salvando assim Aioria de Leão e Shura de Capricórnio (o do golpe Espada Sagrada Excalibur, um dos mais legais da série, na minha humilde opinião). Depois disso, ele ainda derrotou um titã.
Seus golpes são: Grande Chifre, Punho de Aço (usado apenas no Episódio G) e Esquiva Ilusória (usado apenas no mangá).

Curiosidades:
  • Aldebaran nasceu em 8 de maio e hoje tem (sempre terá, porque ele não tem um ano de nascimento específico) 20 anos.
  • Tem 2,10 m, 130 kg e seu tipo sanguíneo é B.
  • No anime, ele tem cabelos castanhos e curtos. Mas no mangá ele tem cabelos loiros e longos.
  • Aldebaran é o nome da estrela alfa da constelação de Touro (Aldebarã, na verdade).

Alvaro Vasquez (Driver)


O que ele tem de brasileiro:
Ele é da gangue, brôu! Mafioso... OK, ele não tem absolutamente nada de brasileiro. Nem fala Português, mas sim um Inglês fluente.

História:
Alvaro Vasquez é um dos vilões de Driver 2. Jamais, em jogo algum, em lugar nenhum, em nenhuma ocasião, sob circunstância alguma, mostra seu rosto. Pesquisando na internet, não achei nem um vestígio de qualquer roupa que ele pudesse ter usado em um momento qualquer... “Oi, sou da GT Interactive Software e não tenho inspiração suficiente para desenhar um personagem brasileiro”.
Alvaro é chefe da máfia rival da de Solomon Caine. O elo entre Alvaro e Solomon é o bandido Pink Lenny. Porém, esse elo só serve pra haver rivalidade. Quando Pink é preso, ela desaparece como as lanchonetes Subway. Infelizmente, não tenho muita história para contar sobre Alvaro Vasquez. Ele não tem nem rosto, quem dirá história?

Curiosidades:
  • Não posso citar nenhuma curiosidade sobre ele, porque ele não se solta muito no jogo, se é que você me entende...

Amigo (Samba de Amigo)


O que ele tem de brasileiro:
Ele é um macaco. É tudo. Tá, não é tudo. Ele parece mais um mexicano, com esse sombreiro e com as maracas. Agora é tudo.

História:
Bom, normalmente, jogos de ritmo, como Samba de Amigo, não têm histórias. Amigo é um macaco que sonha em ser um ótimo tocador de maracas (que futuro brilhante ele tem pela frente...). Ele é fascinado por música latina. Tão fascinado que quando ouve uma, não consegue ficar sem balançar seus instrumentos. Amigo é muito amigo (ahn? Ahn? Entendeu o trocadilho?) do Sonic, o Ouriço (mais conhecido como Sonic the Hedgehog), e tem uma irmã chamada Amiga. Aparentemente, Amiga também é brasileira, mas como eu não encontrei referências concretas e informações concisas, preferi não colocá-la nessa lista. Mas ainda assim é extremamente provável que ela seja originária do Brasil, por ser uma macaca irmã de um macaco brasileiro. Não é muito comum os macacos migrarem para outros países e terem filhotes lá, ainda mais com os mesmos companheiros. Mas vai saber, né? É um jogo de videogame, pode acontecer tudo...

Curiosidades:

Blanka (Street Fighter)


O que ele tem de brasileiro:
Ora, é um monstro verde que vive na Amazônia e emana eletricidade, quer mais o quê? Qual brasileiro não é verde, mora na floresta e dá choque?

História:
Começou sua carreira em Street Fighter II: The World Warrior. Quando ainda era um protótipo, se chamava Big Dean Caves; era pra ser um homem das cavernas.
Seu nome real é Carlos (real no jogo, não real de verdade), no ocidente (no ocidente de verdade, não no ocidente do jogo), e Jimmy, no oriente (no oriente de verdade, não do jogo; tô te confundindo?). Ele estava em um avião com seu pai. Quando estavam passando sobre o Brasil, sobre uma base da Shadaloo, o avião foi derrubado, mas Blankinha sobreviveu. Cresceu na selva e aprendeu a dar choque (!).
Uma vez Blanka salvou Dan Hibiki, um turista, quando este se perdeu na selva. Esse acontecimento fez com que virassem amigos. A primeira vez que Blanka foi pra cidade, foi quando se escondeu na caçamba de um caminhão que transportava melancias (melancias são verdes e vermelhas, iguais ao Blanka! Ahn? Ahn? Sacou? Ele se camuflou). Na cidade, encontrou Dan, e eles lutaram amistosamente (como assim?). Conheceu a aluna de Dan, Sakura Kasugano (Sakura é um nome muito manjado). Depois disso, Blanka voltou pra floresta.
Foi convidado para participar do Segundo Torneio Mundial de Lutadores. Aproveitou a chance pra ficar famoso e tentar reencontrar seus familiares. Sua mãe, Samanta, assistiu a uma luta e o reconheceu pelas tornozeleiras. Eles se reencontram. Nesse meio tempo, o verdão descobre que a Shadaloo é que derrubou o avião em que estava quando garoto. Na sua jornada para derrubar a Shadaloo, blanka luta contra o pastor Zangief, e, sem querer, faz com que ele destrua a Shadaloo. Enfrenta Balrog e depois Master Bison. Blanka, então, recebe ajuda de seus mIgUxOs, Dan e Sakura, e destrói a Psycho Drive, a tão temida arma do chefão Bison.

Curiosidades:
  • Blanka (na verdade Carlos) nasceu em 12 de fevereiro de 1966.
  • Tem 1,96 m e pesa 109 kg.
  • Gosta muito de parapente e de consertar eletrodomésticos (medonho, não?).
  • A pele de Blanka tem a cor verde por causa da clorofila das plantas que roçaram nele durante anos.
  • Ele era conhecido como “hombre blanco”, quando as pessoas o viam na floresta. Daí derivou seu apelido, Blanka. A Capcom, assim como muitas outras empresas ignoram o fato de que no Brasil se fala Português, e não Espanhol. Lembra do filme do Hulk, que tem cenas no Brasil? Todo mundo falava Espanhol fluentemente, mas de Português, nenhuma palavra.
  • O personagem Charlie (no Japão, Nash) não é o Blanka. A confusão se deve ao fato de que no final de X-Men vs. Street Fighter, se for jogado com Charlie, pode-se ver Bison aplicando-lhe uma injeção (na verdade, o Bison nem aparece, mas como é na Shadaloo, supõe-se que o Bison está diretamente envolvido). Mas daí a achar que ele vira o Blanka, é um longo caminho que exige muita imaginação. Confira no vídeo do link anterior e veja se você tem imaginação fértil.
  • Blanka luta capoeira (como é?).
  • Blanka fala através de ruídos (o som parece o de um macaco misturado com um elefante) e apenas Dan o compreende. Mas em Street Fighter II, ele tem frases de vitória, que aparecem escritas após a luta, como “seeing you is action is a joke” (“ver você em ação é uma piada”).
  • Em Street Fighter RPG, é contado que Blanka aprendeu seu poder bizarro de dar choque com enguias, e suas habilidades atléticas com os macacos-aranha.

Bob Burnquist (Tony Hawk’s)


O que ele tem de brasileiro:
Ele é skatista. Todo skatista é lesk. 87,4% dos brasileiros são lesks. Uma mera questão de lógica.

História:
Bom, no jogo em si, Bob, assim como todos os outros personagens, pelo que eu sei, não tem história. Então vou citar um trecho da história de vida dele, encontrado na Wikipedia. Sua mãe é brasileira e seu pai, estadunidense. Ganhou o primeiro skate quando tinha 11 aninhos de vida. Um pirralho. Aos 13 estreou em competições. Foi casado com a skatista Jen O’Brien.
Hoje é casado com Verônica Nachard. Tem duas filhas: Lotus, cuja mãe é Jen, e Jasmyn, cuja mãe é Verônica. É válido notar que as duas meninas têm nomes de flor, e também que as pessoas hoje em dia têm uma criatividade imensa para encontrar nomes para os filhos. Bob é vegetariano e renegou sua terra natal desde 1995, vivendo em San Diego, Califórnia.

Curiosidades:
  • Em Tony Hawk’s Pro Skater 4, Bob tem falas em Português. Legal, né?

Bob Wilson (Fatal Fury)


O que ele tem de brasileiro:
Ele é um capoeirista moreno com cabelo rastafári. É suficiente pra você? Não? Então devo dizer que ele é simpático, alegre, honesto, humilde, essas coisas que sempre dizem que brasileiro é (honesto?!), sem nem ter a mínima ideia se é ou não verdade...

História:
Bob, ao aprender capoeira, chamou a atenção do mestre Richard Meyer (do qual será tratado mais tarde, com um aprofundamento em sua história, que é quase igual à de Bob; só não aprofundo aqui porque senão você não vai ler a parte do Richard), que se voluntariou a ensiná-lo o que sabia. Anos depois, Bob já havia se tornado um lutador primoroso, Vencesláááu!.
Meyer disse a Bob que queria abrir um café nos Estados Unidos, o Pao Pao Cafe. Então, seu aluno resolveu acompanhá-lo. Em vez de participar do torneio The King of Fighters, como seu mestre, ficou praticando capoeira, para aprimorar suas habilidades. Quando Richard estava inaugurando o Pao Pao Cafe 2, os irmãos gêmeos Jin Chonshu e Jin Chonrei destruíram o local. Richard ficou na cafeteria, cuidando dos reparos, enquanto Bob e seus amigos foram buscar vingança (rar! Rar! Rar!) e impedir que Geese Howard pegasse o Pergaminho da Imortalidade. Depois dessa demonstração de coragem, Richard pensou que Bob já era grandinho o suficiente para ficar com o Pao Pao Cafe 2.

Curiosidades:
  • Bob nasceu em 15 de maio de 1974.
  • Tem 1,84 m, 75 kg e seu sangue é do tipo O.
  • Odeia insetos.
  • Adora dançar samba e reggae.
  • Gosta de maçã e abacaxi (“apple” e “pineapple”, em Inglês. Ele deve ter cisma com o nome, só isso...).
  • Ele é um bom jogador de basquete.
  • Tem a incrível habilidade de enganar as pessoas do tarô.
  • Seu estilo de música favorito é o acid jazz, ou club jazz, se você preferir.
  • No jogo The King of Fighters 2002, Bob é figurante em um cenário.

Carlos Miyamoto (Final Fight)


O que ele tem de brasileiro:
Só o nome. Mas não o sobrenome. Sabe-se que ele é sul-americano, mas não se sabe de qual país ele é. Os fãs brasileiros, como sempre, juram que é brasileiro.

História:
Tempos depois que Mike Haggar, Cody e Guy derrotaram a Mad Gear Gang, cada um foi pro seu canto (Cody tirou férias com sua namorada Jessica e Guy partiu em busca de treinamento), enquanto Haggar continuou em Metro City, como prefeito. Porém, os membros sobreviventes da Mad Gear Gang se reagruparam secretamente e planejaram uma vingança. Sequestraram a noiva de Guy, Rena, no Japão, assim como o pai dela, que é o sensei dele, Genryusai.
Sem conseguir encontrar Guy, Maki, a irmã caçula de Rena, pediu a ajuda de Haggar. Haggar chamou seu amigo espadachim Carlos Miyamoto (finalmente ele foi mencionado nessa história) e foi para a Eurásia encontrar Maki, para juntos derrotarem a renascida Mad Gear Gang. Carlos utiliza o estilo de luta kenpo caratê, aliado a uma catana.

Curiosidades:
  • Carlos Miyamoto tem 1,89 m de altura e 91 kg.
  • Adora coletar espadas, adora pimenta e adora taco. Só para lembrar, taco é uma comida mexicana. Talvez Carlos não seja nem sul-americano, mas sim norte-americano, mais precisamente mexicano.

Carlos Oliveira (Resident Evil)


O que ele tem de brasileiro:
Na verdade, não se sabe se ele é brasileiro de fato. Mas por ser sul-americano, descendente de índios e ter um nome e um sobrenome desses, muitos brasileiros o consideram conterrâneo.

História:
Carlos Oliveira apareceu pela primeira vez em Resident Evil 3, que foi o único jogo do qual ele participou. Depois disso, só deu as caras nos filmes Resident Evil 2 e 3. Ele é carismático e acha que é pegador. Trabalha para a Umbrella Corporation, como membro da equipe Umbrella Bio-Hazard Countermeasures Service.
Foi mandado a Racoon City para encontrar sobreviventes da contaminação do Tyrant Vírus. Mas Carlos não gosta do que faz. Não gosta de limpar a sujeira da Umbrella, Inc. Ao conhecer Jill Valentine e salva-la, criando um antídoto para o T-Virus, ele decide mudar de vida.

Curiosidades:
  • Carlos nasceu em 1977.
  • Tem 1,80 m de altura e 83 kg. Seu tipo sanguíneo é O+.

Christie Monteiro (Tekken)


O que ela tem de brasileira:
Totalmente piriguete. Muita cara de funkeira. Parece que os criadores do jogo vieram para o Brasil e foram num baile funk pra se inspirar. Ah, outra coisa: é capoeirista, como sempre...

História:
Devo informar que a história de Christie Monteiro e Eddy Gordo são praticamente as mesmas. Então resolvi resumir a história da Christie, contando mais detalhes na de Eddy, senão ia ficar muito mais chato. Ia ser quase um Ctrl+C Ctrl+V... Como será dito na descrição de Eddy Gordo, Christie é sua namorada, sua aluna e neta de seu grão-mestre.
Eddy Gordo prometeu a seu mestre que ensinaria capoeira a Christie assim que saísse da prisão. Cumpriu o trato e em dois anos, Christie já estava bem sabidinha no assunto. Mas algum tempo depois, Eddy foi comprar cigarros e não voltou mais sumiu. Deixou um recado para Christie dizendo que queria se vingar do assassino de seus pais (rar! Rar! Rar!). Com saudades de se deitar com ele seu carinhoso namorado, ela entra no King of Iron Fist Tournament 4 (Torneio Rei do Punho de Ferro 4), por ser o local mais provável onde eles poderiam se encontrar. Acabaram se encontrando, mesmo, depois de Christie vencer o torneio, em um momento comovente que só será relatado na história do Eddy, pra que você a leia.
Quando seu avô foi libertado da prisão, tempos depois, ele estava bem fraco. No hospital, foi diagnosticada uma doença incurável, mas que com a tecnologia da Mishima Zaibatsu poderia ser curada (milagres... Dinheiro compra tudo nos tempos de hoje, até cura para doenças incuráveis). Para conseguir dinheiro e a atenção da Mishima Zaibatsu, Christie decide participar do King of Iron Fist Tournament 5. Não ganha o torneio. Além disso, seu avô e Eddy desaparecem misteriosamente. Descobre que o avô foi transferido do hospital para uma instalação médica da Mishima Zaibatsu. Para voltar a vê-lo, ela entra no King of Iron Fist Tournament 6.
Repararam? A solução pra tudo no Tekken é participar do King of Iron Fist Tournament. O cara leva um tiro e diz: “vou participar do torneio para me recuperar”. Termina com a namorada: “vou me consolar na competição”. Descobre que tem uma dívida de um zilhão de reais no banco: “vou participar do torneio pra pagar minhas dívidas; sei que preciso pagar uma taxa de inscrição, mas nisso eu dou um jeito pegando um empréstimo no Magazine Luiza”. Descobre que sua casa foi teletransportada para um planeta a um yottâmetro de distância de onde ele está: “ah, o torneio tá aí. Não vou ter onde dormir, onde comer, minhas roupas ficaram na minha casa, meu dinheiro também, mas eu não posso perder essa oportunidade. Afinal, o que mais pode trazer minha casa de volta?”

Curiosidades:
  • Christie tem 19 anos.
  • Tem 1,73 m de altura e 64 kg. Seu tipo sanguíneo é B.
  • Seu hobby é relaxar... Relaxar provavelmente significa libertar a cachorra do funk que existe dentro dela.

Eddy Gordo (Tekken)


O que ele tem de brasileiro:
Ele é capoeirista. Foi pra cadeia por ter matado o pai. Que foi? No Brasil tem muito disso. Não a parte de ir pra cadeia, mas a parte de matar o pai. Credo. Mas ao confessar que assassinou o próprio pai, ele estava mentindo. Veja na história, logo abaixo.

História:
Eddy é herdeiro de uma empresa milionária. Seu pai trabalhava tentando acabar com uma quadrilha de drogas no Brasil. Quando Eddy tinha 19 anos, chegou em casa e viu seu pai baleado e sua mãe morta. Seu pai disse para ele mentir para a polícia, dizendo que o tinha matado, pois na prisão ele ficaria seguro da “máfia”. Seu objetivo de vida, então, passou a ser se vingar da morte de seus pais.
Na prisão ele conheceu um velho grão-mestre de capoeira. O velho o ensinou as técnicas com a condição de que ele as ensinasse a sua neta, Christie, quando Eddy saísse da prisão. Treinou por oito anos, tornando-se também um grão-mestre e sendo considerado uma arma letal (arma letal, por jogar capoeira?). Ao sair da prisão, entrou no King of Iron Fist Tournament 3. O torneio é patrocinado pela empresa Mishima Zaibatsu e Eddy participa dele com a intenção de conseguir ajuda dela para encontrar os assassinos de seu pai.
No final de Tekken 3, um grupo de mafiosos invade sua mansão, mas Eddy nocauteia todos exceto um, que é interrogado. O invasor diz que trabalha para o homem que está numa foto sobre a mesa. Na foto, o pai de Eddy está ao lado de Kazuya Mishima. Tempos depois, Eddy ensina capoeira por dois anos a Christie Monteiro, a neta de seu mestre. Então ele some, deixando a ela um recado: “Those responsible for my father’s death must pay” (“Os responsáveis pela morte de meu pai precisam pagar”).
Christie se inscreve no King of Iron Fist Tournament 4, pensando que lá encontraria seu mestre e namorado. No final do torneio, após a vitória de Christie, eles se reencontram. Algum tempo depois disso, o mestre de Eddy e avô de Christie estava para ser libertado da prisão. Eddy foi recebê-lo na saída e viu o velho com uma aparência debilitada. Levou-o ao hospital e descobriu que ele tinha uma doença incurável. Tinha apenas seis meses de vida (clichê). Eddy acreditava que poderia descobrir uma cura se tivesse acesso às tecnologias da Mishima Zaibatsu, então se inscreve no King of Iron Fist Tournament 5, junto de Christie. No torneio ele enfrenta Kazuya Mishima, que se mostra o assassino de seus pais. Eddy vence o torneio e encontra Jin Kazama, que oferece dinheiro para pagar a cirurgia de seu mestre, que se recupera. Agora Eddy entra para a Mishima Zaibatsu e participa do King of Iron Fist Tournament 6.

Curiosidades:
  • Eddy tem 27 anos em Tekken 3 e 29 em Tekken 4 e 5.
  • Tem 1,88 m, 75 kg e seu tipo sanguineo é B.

G. Ceara (Super Monaco GP)


O que ele tem de brasileiro:
Ele é um piloto de Fórmula 1 brasileiro. Bom, ele não tem, digamos, características de brasileiro, pois o jogo, por ser de Mega Drive e ser de corrida, não tem uma história. Nem precisa. É apenas uma competição.

História:
O jogador de Super Monaco GP inicia o jogo com um carro bem lento na equipe Minarae, inspirada na Minardi. Com o passar das pistas, vencendo, pode-se mudar de equipe, conseguindo um carro melhor.
Vencendo a primeira temporada, o jogador pode entrar para a equipe Madonna, baseada na McLaren. No começo da temporada, o jogador é desafiado para duas corridas contra G. Ceara. Essas duas corridas são praticamente impossíveis de serem ganhas (existem vídeos instrucionais no You Tube e tutoriais de como vencê-las, para você ter uma ideia da dificuldade). Perdendo essas duas corridas, o jogador cai para a equipe Dardan, inspirada na Dallara. Então, o desafio passa a ser vencer a segunda temporada, ou derrotar G. Ceara, o que o leva à Madonna novamente. Depois da segunda temporada vencida o jogo termina.

Curiosidades:
  • G. Ceara é baseado em Ayrton Senna, como se pode perceber claramente comparando as duas imagens.
  • Sua equipe, a Bullets, é baseada na Arrows, pela qual Senna não pilotou.

Leona Heidern (The King of Fighters)


O que ela tem de brasileira:
Pra falar a verdade, não se sabe se ela é brasileira, mesmo. Mas tudo indica que sim: foi encontrada quando criança na Floresta Amazônica (claro!) por Heidern. Honestamente, ela não tem nada de brasileira. Tem cabelo AZUL! Ninguém no Brasil tem cabelo azul (a não ser a MariMoon). Isso só existe no Japão! Só lá as pessoas são totalmente coloridas.

História:
Como já foi dito, Leona foi encontrada na Amazônia por Heidern. Ele se tornou seu pai adotivo e a treinou. Ela tem o sangue Orochi. Pra quem não sabe, Orochi é um vilão de The King of Fighters. Ele é mau. O sangue Orochi deixa Leona mais ágil e forte (como toda coisa ruim, ele faz você ser melhor sem fazer mais esforço por isso; é como os Sith). Seu objetivo de vida é descobrir sua origem (parece a trilogia Bourne). Vez ou outra vêm à sua mente flashes mostrando que ela matou os próprios pais. Mas ela não tem certeza disso. Por saber que o sangue Orochi é muito perigoso, tem medo de matar seus coleguinhas.

Curiosidades:
  • Leona nasceu em 10 de janeiro de algum ano, e tem 18 anos (ela sempre vai ter 18 anos. Ano que vem ela vai ter nascido um ano depois, pra continuar com 18 anos...).
  • Tem 1,76 m, 66 kg (desde o King of Fighters ’96 ela cresceu 3 cm e engordou 10 kg. Encontrei esses dados na internet...) e seu tipo sanguíneo é B.
  • Ela odeia sangue.
  • Seu hobby mais que estranho é visitar fábricas.
  • Gosta de comer vegetais (viram, crianças? Aprendam com ela).
  • Ela tem brincos explosivos.
  • Uma coisa muito bizarra que eu achei na ficha dela é as medidas de seu busto, sua cintura e seu quadril. São elas, respectivamente: 84 cm, 60 cm e 87 cm.

Marco Rodriguez (Fatal Fury)


O que ele tem de brasileiro:
Ele é moreno e tem cabelo ruim. Brasileiro total. Já vi várias pessoas na rua iguais a ele.

História:
Participante do jogo Fatal Fury: Mark of the Wolves, o nono da série Fatal Fury, ele aprendeu caratê Kyokugenryu com Ryo Sakazaki. Ao se tornar faixa preta, abriu um dojô no Brasil onde ensinava esse estilo de caratê.
Para provar a superioridade das artes marciais, ele entrou no King of Fighters Maximum Mayhem Tournament (Torneio da Mutilação Máxima do Rei dos Lutadores. Bizarro, né?). Ao voltar, descobre que todos os seus melhores alunos foram derrotados (mortos, diga-se de passagem) por Ryuji Yamazaki. Agora, ele busca vingança (rar! Rar! Rar!).

Curiosidades:
  • Ele se chama Marco Rodriguez apenas no Japão. No resto do mundo, chama-se Khushnood Butt.
  • Ele nasceu em 4 de setembro de algum ano qualquer e sempre terá 40 anos.
  • Tem 1,83 m, 93 kg e seu sangue é do tipo A.
  • Ele adora sua faixa preta, seu letreiro de Kyokugen e sua choupana de treinamento. Gosta de ler livros com gravuras. Emociona-se ao ler livros da Disney.
  • Adora caril de frango, frango grelhado e cebolinha em conserva.
  • É bom em arremesso de peso.
  • Também é um bom costureiro e alfaiate.
  • Gosta de samba.
  • Odeia baratas (quem gosta?).

Marty Alencar (Far Cry)


O que ele tem de brasileiro:
Bom, a única coisa de brasileiro que eu sei que ele tem é a tatuagem em seu braço escrito “Morte”.

História:
Marty é um mercenário do jogo Far Cry 2. Ele é brasileiro, mas se naturalizou estadunidense. Trabalhou na United States Marine Corps e na United States Southern Command. No jogo, independente do personagem que você escolha controlar, seu objetivo é matar The Jackal (O Chacal). Ele é um comerciante de armas que vende para os lados rivais no conflito do jogo (todo jogo de guerra tem dois lados, só pra constar).
Não tenho muito mais o que dizer sobre Marty. Afinal, ninguém gosta de ficar falando da história (mesmo que exista alguma, o que é extremamente difícil) de um personagem de um jogo de guerra, ultimamente.

Curiosidades:
  • Marty tem 28 anos.
  • Pesa 86 kg.

Milla Vodello (Psychonauts)


O que ela tem de brasileira:
Ela tem uma roupa bizarra (brasileiros se vestem mal) e gosta de bossa nova.

História:
Milla é professora do Acampamento Psíquico de Verão Rocha Sussurrante (Whispering Rock Psychic Summer Camp), de Psychonauts, para jovens com poderes especiais (se é que você me entende...). Há fortes indícios de que ela é apaixonada pelo agente Sasha Nein (é um homem, mesmo).
Razputin “Raz” Aquato, um jovem, filho numa família circense, foge do circo para se tornar um Psychonaut (Psiconauta seria a melhor tradução). Ele tem poderes psíquicos, mas não sabia, e acaba descobrindo-os no decorrer do jogo. Em Psychonauts, Raz entra nas mentes das pessoas, e cada uma delas tem um cenário diferente.
Quando na mente de Milla, Raz descobre que ela era uma ama em um orfanato. Ela amava as crianças de quem cuidava. Era muito feliz nessa época. Mas um dia, ao voltar de uma mercearia, vê o orfanato em chamas, não tendo mais chance de salvar nenhuma das amadas crianças. Numa das salas da mente de Milla, Raz encontra uma caixa de brinquedo que o leva a um lugar com seres sombrios que parecem estar em chamas e dentro de uma jaula de fogo. Eles sussurram: “why did you leave us Milla?” (“por que você nos deixou, Milla?”) e “why did you let us die?” (“por que você nos deixou morrer?”). Esse jogo deve ser muito interessante.
No decorrer da história, Milla e Sasha são sequestrados por Morceau Oleander e pelo Dr. Caligosto Loboto. Mas Raz, já que é o personagem principal do jogo, salva todo mundo no final.

Curiosidades:
  • Adora moda, festas e esse tipo de coisa.
  • Sua especialização é a levitação
  • Sua mente é como uma discoteca.


O que ele tem de brasileiro:
É feio demais e vive numa caverna na Amazônia (sempre a Amazônia... O Brasil não tem nenhum outro lugar. Aqui só tem a Floresta Amazônica). Brasileiro em excesso. Aham...

História:
O ermitão Oro aparece pela primeira vez em Street Fighter III. Pra ser sincero, ele é muito bom pra ser um brasileiro. Sinto-me orgulhoso de ser “conterrâneo” de um personagem desse nível. Apesar de ele ser feio pra burro. Oro é tão estonteantemente, estupidamente, inconcebivelmente, surpreendentemente, incrivelmente, bisonhamente bom lutador que selou magicamente um braço, pra não matar despropositalmente o oponente; além de não treinar há mais de 50 anos. Mesmo assim, continua sendo capaz de derrotar Ryu e Akuma.
Não se sabe muita coisa sobre ele. Seus ancestrais são japoneses. Não gosta muito de lutar, mas treinava muito e conseguiu melhorar suas habilidades até chegar a um nível sobre-humano. Pra usar suas técnicas de luta ele controla o movimento de seus fluidos corporais. Seu senjutsu (sim, o link é para uma página da Wikipedia sobre Naruto, mas tem exatamente o que você precisa saber sobre senjutsu) o torna capaz de controlar os elementos da natureza e de fazer telecinese, além de ter uma força descomunal, reflexos super-rápidos, fator de cura (não é assim, não. É que ele se cura de ferimentos rapidamente, mas não igual ao Wolverine), percepção e conhecimento do passado e do futuro e capacidade de absorver e controlar energia.
Oro treina Ryu em Street Fighter III, quando este tinha desanimado de lutar. É para Ryu que Oro quer passar todo o seu conhecimento em artes marciais.

Curiosidades:
  • Oro nasceu por volta de 1860 (não se sabe mais detalhes da data).
  • Não se sabe mais nenhum dado seu.

Pupa Salgueiro (Rage of the Dragons)


O que ela tem de brasileira:
Mais um personagem que luta capoeira.

História:
Pupa vivia no Brasil com seu pai e seu irmão. Mas ela e o irmão foram mandados aos Estados Unidos para estudar. Então o irmão (é, eu não sei o nome dele) começou a participar de lutas. Num belo dia (sempre é um belo dia para coisas trágicas), ele não volta para casa. Pupa, preocupada, entra em um torneio a fim de encontrá-lo.
Lembra o que eu falei sobre torneios na parte da Christie Monteiro? Torneio é a solução pra tudo. Nesse caso também. Para encontrar pessoas perdidas, ele é ótimo. Existem mais de quinze mil brasileiros desaparecidos em todo o mundo (esse dado é verdadeiro). Quem sabe se organizássemos uma competição de luta não os encontraríamos? Tá aí uma sugestão para o presidente. Torneios servem para se encontrar pessoas desaparecidas, além de resolver todos os problemas pessoais de qualquer espécie que seja. Fica a dica. Enfim, Pupa e sua equipe não encontram o irmão dela no final do torneio, mas não perdem as esperanças. É isso.

Curiosidades:
  • Pupa nasceu em 18 de outubro.
  • Tem 1,65 m e pesa 48 kg. Seu tipo sanguíneo é A.
  • Ela gosta de consertar máquinas.
  • Não gosta do tempo frio.
  • Gosta de fabada asturiana e de frutas tropicais.
  • Gosta de mergulhar.
  • Suas medidas (dados pervertidos inúteis): busto: 85 cm; cintura: 57 cm; quadril: 87 cm.
  • Sua arma é uma chave inglesa (Coronel Mostarda, na Cozinha, com a Faca).

Richard Meyer (Fatal Fury)


O que ele tem de brasileiro:
Ele é capoeirista. Bom, não sei o que mais ele tem de brasileiro. Talvez o fato de ele ter cabelo ruim...

História:
Richard Meyer aparece pela primeira vez em Fatal Fury. Ele utilizava suas habilidades capoeirísticas para entreter pessoas à noite. Mas não tinha muita atenção por aqui. Que foi? Você dá atenção pros capoeiristas de rua, pros hippies, pros malabaristas de sinal? Ah, bom, então não reclama.
Richard se mudou para os Estados Unidos da América, mais especificamente para a cidade de Southtown, e fundou lá o Pao Pao Cafe, um bar/boate/boteco com a cara do Brasil. Bom, então deve ser muito feia, porque eu não sei de nenhuma boate legal por aqui... Mas continuando a história de Meyer, ele decidiu promover seu empreendimento lutando no The King of Fighters Tournament. Até para fazer propaganda os torneios servem. Derrotou vários adversários, mas acabou perdendo para os irmãos Terry e Andy Bogard e para Joe Higashi.
Mesmo perdendo, seu café ficou famoso. Até foi realizado um torneio em que todas as lutas aconteceram no Pao Pao Cafe. Richard enriqueceu e conseguiu abrir outro Pao Pao Cafe. Mas na sua inauguração, os gêmeos Jin Chonshu e Jin Chonrei destruíram o lugar. Cheio de fúria, Bob Wilson (sobre o qual já foi tratado), aluno de capoeira de Richard, persegue os vândalos e acaba com a alegria deles.
Richard, com seus olhos treinados de caça-talentos, viu o brilhante futuro de capoeirista (“brilhante futuro” e “capoeirista” normalmente são expressões que não fazem sentido numa mesma sentença, a não ser que haja uma partícula negativa entre elas) de seu pupilo, além de sua honra e responsabilidade, e resolveu dar o recém-inaugurado e recém-reformado Pao Pao Cafe 2 para ele. Depois de um tempo, Richard Meyer inaugurou um terceiro Pao Pao Cafe.

Curiosidades:
  • Richard Meyer nasceu em 22 de fevereiro de 1962.
  • Tem 1,85 m, 79 kg e seu sangue é do tipo O.
  • Ele é o primeiro personagem de jogos eletrônicos a lutar (jogar?) capoeira.
  • Ele ama de paixão seus três Pao Pao Cafe.
  • Odeia bolinhos de alho.
  • Gosta de criar cactos e novos tipos de aperitivos (a palavra “criar”, nesse caso, tem sentidos ligeiramente diferentes em cada oração).
  • Adora pizza (e quem não gosta?).
  • É bom em triatlon (corre, pedala e... nem preciso continuar...).
  • Detesta pessoas que lutam em seus cafés (fico imaginando pessoas lutando sobre uma xícara branquinha cheia de café fumegante).
  • Gosta de samba.

Rikuo (Darkstalkers)


O que ele tem de brasileiro:
Ele é um homem-peixe que vive no fundo do rio Amazonas. Os caras da Capcom abusam, né? Olha o naipe do sujeito! Um homem-peixe! Tá, o design dele é legal, mas ele não deixa de ser uma aberração... Se os estrangeiros pensam que brasileiros são assim, deixa eles...

História:
Primeiramente, essa é uma história muito confusa. Se você não teve uma boa noite de sono, sugiro que não a leia. E mesmo que você tenha dormido bem, vai parecer que deixou de ler alguma coisa quando chegar ao final.
Personagem do jogo Darkstalkers, vive no fundo da bacia do rio Amazonas. Lá ele reinava sobre 30 mil seres iguais a ele. Mas num fatídico dia, seu lar (toda a cidade subaquática) foi destruído por atividades vulcânicas e terremotos (sim, no Brasil!). Rikuo ficou sozinho. Então ele descobriu que quem causou a destruição de seu reino foi Pyron. Encheu-se de ódio e jurou vingança (rar! Rar! Rar!).
Porém, encontrou uma sobrevivente, Keera Aqueria, com quem formou uma família e viveu feliz para sempre. Minto. Com quem formou uma família e se mudou pro oceano (Atlântico, provavelmente, que é onde desemboca o Amazonas). Com Keera teve três filho[te]s e ainda havia 12 ovos prestes a chocar (que bonitinho! Not.). Eles viviam numa fenda marítima, a 150 m de profundidade.
Rikuo então aproveitou o momento de tranqüilidade em sua vida para procurar por outros sobreviventes. Só que ele começou a passar mais tempo procurando do que cuidando de sua família. Num belo dia, enquanto Rikuo estava fora em busca de sobreviventes (que conveniente), um de seus filhos, Ricky, sumiu. Rikuo ficou se culpando pelo acontecido. Pensando que Ricky tivesse sido sugado pela Majigen (uma outra dimensão criada por Jedah Dohma), ele foi até os domínios de Jedah. Mas a força de Makai (o submundo do jogo. Uma boa fonte de conhecimento, com apenas duas frases totalmente explicativas é essa) começa a se esvair, e o mar de Sargasso (traduzindo para o Português, “sargaço” é uma espécie de alga. Não sei se o nome do mar do jogo está diretamente associado à alga) é libertado dos seus longos séculos de isolação. E lá, Rikuo encontra seu filho com uma raça diferente da (mas parecida com a) dele. Agora as duas espécies se ajudam para reconstruir a civilização marítima. Bonito, não?

Curiosidades:
  • Rikuo nasceu em 1953.
  • Tem 1,84 m e sua massa mede 62 kg.
  • No Japão (sempre o diferente... Pensando bem, esses jogos saem primeiro no Japão, então todo o resto é que é diferente...) Rikuo se chama Aulbath. E seu filho que desapareceu, Ricky, chama-se Alba. Alba é bem mais legal que Ricky.

Roberto Miura (Rival Schools)


O que ele tem de brasileiro:
É um ótimo jogador de futebol.

História:
Rival Schools: United by Fate é o jogo de Roberto. Suas habilidades futebolísticas são tão avançadas que ele chega a lutar enquanto joga bola (ó-quei...). Isso me lembra o filme (ótimo, por sinal) Kung Fu Futebol Clube (Shaolin Soccer, em Inglês e Siu Lam Juk Kau, em Mandarim; o filme é de Hong Kong): como o nome sugere, nesse filme, os jogadores utilizam técnicas do Kung Fu Shaolin durante as partidas, fazendo tudo parecer muito fácil.
Voltando ao assunto principal, Roberto estuda na Escola Gorin. Seus dois melhores amigos são o jogador de beisebol Shoma Sawamura e a jogadora de voleibol Natsu Ayuhara. Juntos eles começam a investigar uma série de sequestros dos alunos da escola. Depois de lutarem em mais de sete escolas, chamando toda a atenção (lutar não é uma boa maneira de passar despercebido...), Shoma foi sequestrado por professores da Escola Justice.
Roberto e Natsu vão até lá para lutar mais um pouquinho, afinal, essa é a função deles no jogo. Lutar-lutar-lutar-lutar-lutar-lutar-e-lutar. Encontram Shoma depois que ele passou por uma lavagem cerebral e, com muito custo, fazem-no recobrar a memória. Então se deparam com Hyo Imawano, uma cara que, pra apelar, usa uma espada. Sempre tem um pra acabar com a brincadeira... Roberto é ferido no braço e quase tem que parar de jogar. Felizmente, ele consegue se recuperar. Ele só consegue derrotar Hyo se quem estiver com o controle do videogame tiver habilidade suficiente para isso.

Curiosidades:
  • O nome Roberto Miura provavelmente é derivado do nome de um personagem brasileiro de mangá e anime que joga futebol e do nome de um famoso jogador de futebol japonês. O personagem é Roberto Hongo (ou Roberto Maravilha), da série Captain Tsubasa (lembra? Super Campeões é o nome dela no Brasil). E o jogador é Kazuyoshi Miura, o primeiro jogador de futebol japonês a ficar internacionalmente famoso.

Sean Matsuda (Street Fighter)



O que ele tem de brasileiro:
É moreno e todo lesk. Sua história destaca a produção nacional do café. Claro, o Brasil só tem café, futebol, mulheres, carnaval, alegria, simpatia, hospitalidade, “obrigado”... Enfim, coisas que não fazem diferença nenhuma no contexto global.

História:
Sean nasceu em São Paulo capital. Aprendeu caratê com o avô japonês. Costuma andar com uma bola de basquete, esporte do qual gosta bastante. Ao ver Ken Masters lutar ficou admirado e foi conhecê-lo. Mas foi meio ignorado. Quando Ken ficou sabendo que Sean se inscreveu para o Street Fighter Tournament, foi dar dicas de luta para ele. Depois do torneio, passou a treiná-lo. Bô.

Curiosidades:
  • Sean tem 1,73 m de pura brasilidade, com seus 70 kg.
  • Adora chicle.
  • Odeia o Dan Hibiki (lembra? O amiguinho do Blanka).


É interessante saber que os estrangeiros se preocupam em criar personagens brasileiros. Tá bom que a maioria luta capoeira e além disso nenhum tem muita coisa explícita de brasileiro. Mas mesmo assim, eles têm, cada um, seu toque especial.
Tem gente que não gosta de ver que o Blanka, o Oro e o Rikuo, esses seres bizarros, são brasileiros. Não gostam que seja associada a figura do brasileiro a esses monstros. Mas isso tem seu lado bom. Existem inúmeros personagens estrangeiros que são mutantes. Por que temos que ser normais? Pense bem: se os personagens brasileiros fossem todos normais, seria horrível. Aí todo mundo (todo mundo quer dizer todos os brasileiros, nesse caso) ia falar: “nossa, os brasileiros são muito sem graça”. É obvio.
Eu ainda acho que deveria haver mais personagens, eles são muito escassos. Deveriam existir brasileiros em jogos cujo tema principal não fosse luta. Ou pelo menos, brasileiros que não nasceram ou vivam na Floresta Amazônica, ou que não lutem capoeira... Deveria haver menos figurantes e mais personagens principais ou coadjuvantes; quer dizer, mais personagens jogáveis.
Mas o mercado de jogos eletrônicos no Brasil está crescendo e isso é um chamariz para as grandes produtoras. Há um grande futuro para nós nos videogames, e temos que aproveitar isso e nos orgulhar disso.
Ir ao Topo