19 de mar de 2011

Space Colony Art - os projetos de colônias espaciais da década de 1970

Fontes: Geeks are Sexy (não, esse site não tem nada para adultos, antes que você pense; ele é um dos sites mais informativos que eu frequento; claro, sempre tem uma coisa ou outra que sua mãe provavelmente vai achar constrangedora, mas... fazer o quê?), Space Settlement, O Universo - Eternos Aprendizes, Universe Today e Don Davis (esse cara é um artista de ilustrações espaciais; muito bom! Ele é quem fez as imagem das colônias desse post, inclusive essa abaixo).


Antes de mais nada: isso é incrível! Como que eu vivi por todos esses anos sem nunca ter visto isso antes? Sem nunca ter ouvido falar num projeto dessa magnitude?
As imagens são da década de 1970, quando o físico Gerard Kitchen O'Neill, de Princeton, se juntou à NASA Ames Research Center e à Stanford University pra mostrar como colonizar o espaço. Se você está se perguntando o que significa o "Ames" em "NASA Ames Research Center", saiba que é o sobrenome de Joseph Sweetman Ames (adoro esses sobrenomes... não o "Ames", mas o "Sweetman"... Imagina esse sobrenome em Português. Agora imagina conhecer alguém com esse sobrenome em Português), um dos fundadores e presidente por vários anos da NACA. Se você não sabe o que é NACA: National Advisory Committee for Aeronautics. E se você já vive há muito tempo e nunca parou pra se perguntar o que significa NASA, aí vai: National Aeronautics and Space Administration. Pá! Adriado também é cultura!
Enfim, voltando ao assunto principal. Esses desenhos me deram ainda mais vontade de viajar para o espaço do que eu sempre tive. Nem Super Mario Galaxy me deu tanta vontade assim. Sério. É maravilhoso!
Veja por você mesmo.

Colônias cilíndricas (ou Cilindro de O'Neill):
Gerard Kitchen O'Neill propôs aos seus alunos que fizessem desenhos mostrando estruturas que poderiam suportar vida humana no espaço. Com base nesses desenhos, ele criou o livro The High Frontier: Human Colonies in Space, com várias propostas de habitats artificiais espaciais. Para citar a explicação do site O Universo - Eternos Aprendizes:

"Um cilindro de O’Neill consiste de dois cilindros bem grandes com rotações opostas, cada um com 8 km de diâmetro de 32 km de comprimento, conectados entre si. A rotação fornece a gravidade artificial nas superfícies internas enquanto o eixo central do habitat será uma região de gravidade zero onde as facilidades voltadas ao lazer, as unidades de produção especiais ou até  os laboratórios avançados poderão estar localizados.
Para economizar os altos custos associados aos transportes de materiais fornecidos pela Terra, este habitat poderá utilizar matérias primas ejetadas da Lua via mass driver."

Se você não sabe o que é um mass driver:
É um jeito de impulsionar objetos usando ímãs. Foi criado como um modelo de lançamento de foguetes para o espaço a partir da Terra. Normalmente, ele lançaria os objetos a uma velocidade bastante alta, pra não ser puxado de volta para o chão. Mas isso geraria uma força G muito grande no foguete e em tudo que estaria dentro dele (claro). Essa força é bem perigosa para humanos e equipamentos sensíveis. Mas! Isso não acontece em baixa gravidade, já que não será necessária tanta velocidade, o que, aliado a essa baixa gravidade, geraria baixíssima força G. É por isso que seria muito mais aplicável usar mass driver a partir da Lua. Porém, mass driver é um processo caríssimo de se fazer. Se você quer saber mais sobre isso, vai no Universe Today.
Enfim, chega de explicações sobre isso, agora veja as imagens, que são impressionantes (só lembrando que você pode clicar nas imagens para vê-las maiores).

Visão exterior de uma colônia cilíndrica dupla:


Visão exterior de várias colônias de dois cilindros:


Visão interior incluindo visão através de grandes janelas:


Visão interior com longa ponte suspensa:


Interior com nuvens e vegetação:



Colônias toroidais (ou Toro de Stanford):
Sabe o que é uma toróide? Não? Uma coisa com uma forma toroidal tem o formato de uma rosquinha, ou de um anel do Sonic. Entendeu? Certo.
O Toro de Stanford foi proposto pela NASA Ames como alternativa ao Cilindro de O'Neill. Teria no mínimo 1,8 quilômetros de diâmetro, podendo suportar de 10 mil a 140 mil habitantes. Mais uma vez, a citação do site O Universo - Eternos Aprendizes:
"O toro de Stanford poderia rodar uma vez por minuto para fornecer entre 0,9 e 1 g de gravidade artificial na superfície interna do anel externo através da aceleração centrípeta. O interior do toro poderia ser usado como um espaço para o habitat e seria grande o suficiente para criação de ambientes ‘naturais’ interiores como jardins, com árvores e plantas diversas. A luz do Sol seria aproveitada via canalização para dentro da estrutura através de um sistema de espelhos."
Olha esses vídeos aqui e aqui, muito legais que mostram uma visão tridimensional dessa estrutura. Só pra constar, esses vídeos me lembraram muito Star Fox, principalmente o de Nintendo 64.

Visão exterior:


Visão com um corte, expondo o interior:


Visão exterior, com várias colônias vizinhas:


Visão interior:


Parte do aro incluindo alguns veículos espaciais por perto:



Colônias em formato de Esfera de Bernal:
De acordo com O Universo - Eternos Aprendizes:
"A esfera de Bernal foi proposta 1929 por John Desmond Bernal e acredita-se que serviu de inspiração para Gerard O’Neill e seus alunos. A proposta original de Bernal incluía uma concha esférica de 1,6 km de diâmetro, cheia de ar, projetada para uma população de 20.000 e 30.000 pessoas.
Bernal previa que a com o crescimento da população humana, as necessidades materiais e energéticas iriam superar a capacidade que a Terra poderia fornecer. Colônias orbitais poderiam usar a energia solar e prover espaço extra para uma população extra.
A esfera iria rodar sobre seu eixo duas vezes por minuto fornecendo a gravidade similar a Terra. Uma vantagem geométrica da esfera é prover a menor área de superfície para o maior volume, minimizando as proporções dos escudos anti-radiação necessários."
Super bacana! A Esfera de Bernal impressiona pela época em que foi proposta: 1929. Mesmo nessa época os cientistas já tinham uma ideia da proporção do crescimento da população humana e da necessidade de se colonizar o espaço. Realmente impressionante.

Visão exterior:


Foto de um modelo da Esfera de Bernal:


Visão com um corte para ver o interior:


Interior incluindo um aeroplano movido a pedaladas:


Visão de um módulo agrícola da Esfera de Bernal (múltiplas toróides) com um corte para expor o interior:


Equipe de construção de colônias trabalhando:




Sabe, essas imagens me lembraram bastante Halo, olha só:


Não lembra? Pois é... Eu não sei direito a história de Halo, se alguém souber, me conta. Mas... esse halo aí é uma colônia? Ou não? Bem, eu sei lá. Mas vou dar uma olhada nisso depois.
Acho que depois de escrever tanto, eu preciso descansar um pouco.

Enjoy! ☺
Ir ao Topo